Banco de Alimentos da Ceasa é escolhido para estudo do Ministério da Cidadania

segunda-feira, 2 de setembro de 2019
As técnicas do IICA e o presidente da Ceasa, Ailton dos Santos Machado, acompanham a entrega dos kits de alimentos - Foto: Divulgação / Ceasa

As técnicas do IICA e o presidente da Ceasa, Ailton dos Santos Machado, acompanham a entrega dos kits de alimentos – Foto: Divulgação / Ceasa

Laureado em 2004 e reconhecido novamente em 2017 pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) como um dos melhores programas de combate à miséria e reinserção social de dependentes químicos no Brasil, o Prato Para Todos (em 2004, chamava-se Tá No Prato) volta a ser destaque nacional.

Na semana passada, o Banco de Alimentos da Ceasa/RS – que coordena o programa – foi um dos cinco modelos de gestão selecionados entre os 63 analisados pelo Ministério da Cidadania na Região Sul para elaboração de um manual de boas práticas. O Prato Para Todos é um dos pilares da administração da Ceasa (Centrais de Abastecimento do Rio Grande do Sul), sociedade de economia mista vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr).

Visita técnica

Duas técnicas do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) foram contratadas pelo ministério para fazer a vistoria e análise dos bancos de alimentos selecionados. Segundo a engenheira de alimentos Alcione Silva e a economista Alessandra Azevedo, o banco de alimentos da Ceasa foi escolhido por sua performance logística e cadeia de suprimentos.

Por intermédio do Prato Para Todos, o banco distribui hortifrútis doados pelos permissionários (produtores e atacadistas) para cerca de 300 instituições carentes e 200 famílias de baixa renda, colocando alimento na mesa de cerca de 50 mil pessoas todos os meses.

Durante três dias, Alcione e Alessandra conheceram o programa social da Ceasa. Elas visitaram o Pavilhão dos Produtores e os boxes das empresas atacadistas que doam as frutas, legumes e verduras para o programa, e acompanharam a distribuição gratuita de hortifrutigranjeiros para entidades assistenciais e para a população de baixa renda. Além de conhecer o banco de alimentos, a engenheira nutricional e a economista do instituto visitaram entidades atendidas pela Ceasa-RS.

Esta é a segunda etapa do Projeto de Cooperação Técnica Internacional — Segurança Alimentar e Nutricional: a disponibilidade e o acesso a alimentos saudáveis e o combate à pobreza rural — realizado pelo Ministério da Cidadania em parceria com o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e o IICA.

Esse projeto tem o objetivo de gerar condições e oferecer instrumentos para redução das perdas e do desperdício de alimentos, mediante oferta de crédito e assistência para municípios, cooperativas, agricultores e outros atores da cadeia de produção e comercialização de alimentos.

ONU 

No ano seguinte à sua implantação, o programa social Tá no Prato (hoje Prato Para Todos) recebeu a Chancela da ONU, através da FAO Brasil (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação no Brasil). A chancela, entregue em 2004, significou a indicação do Tá no Prato como exemplo de política pública na área de segurança alimentar. Pela primeira vez um programa de assistência alimentar do Rio Grande do Sul recebeu o reconhecimento.

O Prato Para Todos tem três eixos:

Assistência alimentar

– Distribuição de hortifrutigranjeiros excedentes doados por produtores e atacadistas para cerca de 300 beneficiados (creches comunitárias, instituições filantrópicas, asilos e entidades oficialmente registradas que tratem de crianças ou pessoas em vulnerabilidade social). As entidades retiram os alimentos uma vez por semana na Ceasa;
– Distribuição de alimentos no portão da Ceasa. Entrega de kits com hortifrútis para a população de baixa renda cadastrada no programa social. São beneficiadas cerca de 200 famílias. Na fila, geralmente estão idosos, donas de casa, aposentados e desempregados. A entrega dos kits é feita às quartas, quintas e sextas-feiras pela manhã.

Ação educacional

– O eixo educacional é composto por um ônibus-escola equipado com uma cozinha industrial, com capacidade para 24 lugares, doado pela Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre. No ônibus-escola, uma equipe de nutricionistas do Sesc oferece oficinas de combate ao desperdício e aproveitamento de alimentos. São ensinadas receitas de aproveitamento integral dos alimentos, utilizando casca, folhas, talos e outras partes que normalmente são descartadas. O reaproveitamento representa uma economia de 30% a 50% no orçamento familiar. Mais de oito mil pessoas foram capacitadas em cerca de 300 oficinas realizadas em bairros, vilas, entidades sociais, associações comunitárias e órgãos públicos.

Reinserção social

– O eixo de reinserção social está relacionado com as comunidades terapêuticas, com pessoas que já terminaram o tratamento contra drogas e alcoolismo. São voluntários que prestam serviços ao programa, como arrecadação, seleção e distribuição de alimentos às entidades.

Texto: Eduardo Rodrigues/Ascom Ceasa
Edição: Patrícia Specht/Secom